Arquivo de tag 2017-18

poricarai

Professor desempregado leva literatura a crianças carentes de Aracaju

“O que eu faço é com amor e sou muito respeitado por elas, que serão os futuros homens e mulheres da nossa cidade”, diz Luiz Carlos Nascimento.

Por Anderson Barbosa, G1 SE, Aracaju, 17/03/2018

A calçada de uma residência localizada em uma rua sem pavimentação, no Bairro 17 de Março em Aracaju, é o local escolhido por um professor desempregado para ensinar literatura às crianças de um dos bairros mais carentes da capital de Sergipe, que neste sábado (17) comemora 163 anos de emancipação política.

A sala de aula improvisada funciona uma vez por semana. Na falta de cadeiras, as crianças acomodam-se no chão e vencem o que seria a primeira barreira para se aproximarem dos livros. Depois, desvendam o conteúdo literário trazidos em uma sacola pelo professor Luiz Carlos. Quando não está em uso, o material de apoio fica exposto em um varal à espera do próximo interessado.

“A Literatura é a forma de despertar outros conhecimentos científicos, além de promover o prazer estético e dar asas a imaginação desses jovens leitores”, professor Luiz Carlos

O trabalho voluntário começou no mês de novembro de 2017, depois que Luiz Carlos participou de um workshop literário. Desde o início do projeto, 12 crianças participam das atividades e enquanto os pais estão trabalhando. “Educação é o meio de transformação sócio- cultural para a vida de cada uma dessas crianças levando respeito, dignidade, conhecimento e independência financeira”, diz com o sorriso no rosto.

A escritora e coordenadora do Projeto Lê Campo/SE, Jeane Caldas, conheceu o trabalho do professor e se apaixonou pela causa. “Ele sempre fez este trabalho, mas agora as ações de leitura foram intensificadas, porque conseguimos que fizesse parte do projeto Rede Ler e Compartilhar e Eu Leio, que fazem parte do programa nacional de incentivo à leitura. O programa disponibiliza sacolas circulantes com 30 livros e oferece formação continuada para os professores e mediadores de leitura, mas não paga nada por esse trabalho. Entrei na parceria por meio da Secretaria de Estado de Educação”, conta.

Não é sempre, mas quando pode o professor retira dinheiro do próprio bolso e compra lanches para a criançada. Uma forma de incentivar a permanência dos alunos e atrair outros meninos e meninas.

Mesmo em um local improvisado, as crianças parecem encantadas com as histórias descobertas nos livros (Foto: Mara Lúcia de Paula)

Combate à deficiência na leitura

O trabalho do sergipano serve de combate à deficiência da leitura ainda no início da vida escolar, como aponta a Avaliação Nacional de Alfabetização, do Ministério da Educação e Cultura (MEC). O estudo revela que mais da metade dos alunos do terceiro ano do ensino fundamental não consegue nota mínima em matérias básicas. No ano de 2014, a insuficiência em leitura era de 56,17% entre os alunos. Dois anos depois o número teve uma pequena queda, 54,73%.

“Quero ver a melhoria do bairro em que moro e dessas crianças, que muitas vezes vão à escola e não conseguem aprender o conteúdo. O que eu faço é com amor, com carinho e sou muito respeitado por elas, que serão os futuros homens e mulheres da nossa cidade. A maior recompensa é o prazer de contar histórias e contribuir no processo de alfabetização dessas crianças”, conta Luiz Carlos.

Mara Lúcia e a filha Jaycha Rively, de 9 anos, do projeto de literatura (Foto: Arquivo Pessoal)

Quando o professor inicia a história, os olhos da criançada parecem brilhar e ganham a companhia de sorrisos e gargalhadas. Nem mesmo o movimento das ruas tira a concentração dos pequenos leitores. Sinal de que estão envolvidos pelas histórias.

“O que mais gosto é de ler e aprender com as histórias que ele nos conta. O professor é muito bom e trata a gente bem. Tio Luiz Carlos é muito legal comigo e com meus colegas do projeto”, afirma Jaycha Rively, de 9 anos.

A menina é filha da vendedora Mara Lúcia de Paula, que também se mostra feliz com o desprendimento do professor e vizinho de bairro. “O que ele faz é louvável e ajuda a construir o futuro dos nossos filhos, sem cobrar nada. É um grande exemplo pra nossa comunidade e para o Brasil”, diz agradecida.

Professor Luiz Carlos se reúne uma vez por semana com os alunos e trabalhar a literatura infanto-juvenil (Foto: Mara Lúcia de Paula)

A batalha do mestre

Luiz Carlos nasceu no município de Malhada dos Bois e foi criado em Cedro de São João, ambos na Região do Baixo São Francisco de Sergipe. Filho de pais separados, ele é o mais velho entre nove irmãos, o único com nível superior, conquistado no ano de 2012 após cursar Letras/Português em uma universidade particular na capital.

“Concluí a graduação com muita dificuldade financeira, pois estava desempregado. Tive a ajuda de familiares e principalmente de uma ex-diretora da instituição, que me ajudou bastante nesta fase da minha vida”, relembra.

Luiz Carlos já trabalhou em escolas particulares, em programas do governo e atualmente sobrevive dando aulas de reforço em casa, além de fazer ‘bicos’ auxiliando outros professores em projetos educacionais. No mês passado, tudo isso rendeu a ele pouco mais de R$ 200. “É assim que consigo pagar as contas da casa, comprar roupas e alimentos. Deus é quem dá a força pra gente superar todas as dificuldades que a vida nos oferece”, afirma.

Sempre atento aos apelos da comunidade, ele tem como meta fazer um trabalho mais intenso com os jovens e adultos que passam o dia trabalhando e ainda não são alfabetizados.

Fonte: TV Sergipe, via Jornal de Boas Notícias

poricarai

Como liderar uma reunião voltada a projeto social

Como você introduziria uma ideia para gerar mudanças? Incentivado pela nova flexibilidade da organização no que se refere a reuniões e quadro associativo, o coordenador do Rotary Robert Wallace e sua equipe fizeram um workshop durante a Conferência do Distrito 7070 para mostrar aos clubes como variar o formato das reuniões e criar experiências engajadoras para os rotarianos.

Depois de fazer uma pesquisa com os clubes sobre suas reuniões, eles descobriram que, frequentemente, elas englobavam refeições, discussões operacionais e pedidos de doação. Muitos expressaram que, em vez disso, queriam atividades que envolvessem a comunidade.

Para demonstrar como unir reuniões tradicionais e projetos sociais, os facilitadores do treinamento disseram aos participantes que, depois do evento, iriam doar presentes a um banco de alimentos (seriam itens para famílias carentes comemorarem o aniversário de seus filhos). Depois de explicar a ideia, os participantes foram divididos em grupos para decidirem como iriam preparar as sacolas com as lembrancinhas.
 
No final da sessão, que durou 90 minutos, cada grupo compartilhou com o restante da sala como havia preparado sua sacolinha de presentes. Os facilitadores disseram que o nível de energia e entusiasmo na sala estava muito alto e que os participantes gostaram muito de participar do projeto.  
 
Wallace recomenda que, durante treinamentos sobre mudanças inovadoras, os facilitadores deem aos participantes a chance de interagir e determinar os resultados, sem colocar pressão para que uma decisão seja tomada. 

(Fonte: Rotary Training Talk, fevereiro 2018)

poricarai

Dia Mundial da Água

O Dia Mundial da Água é comemorado anualmente em 22 de março.

O tema do Dia Mundial da Água 2018 será “Soluções Naturais para a Água”.

Esta data foi criada com o objetivo de alertar a população internacional sobre a importância da preservação da água para a sobrevivência de todos os ecossistemas do planeta.

Para isso, todos os anos o Dia Mundial da Água aborda um tema específico sobre este mineral de extrema e absoluta importância para a existência da vida.

A conscientização sobre a urgência da economia deste recurso natural e como utilizado com cuidado é uma das principais metas do Dia da Água.

A água limpa e potável é um direito humano garantido por lei desde 2010, de acordo com a Organização das Nações Unidas – ONU.

Mesmo o planeta Terra sendo constituído aproximadamente 70% de água, apenas 0,7% de toda a água do mundo é potável, ou seja, adequada para o consumo humano.

Origem do Dia Mundial da Água

O Dia Mundial da Água foi instituído pela Organização das Nações Unidas – ONU, através da resolução A/RES/47/193 de 21 de fevereiro de 1993, determinando que o dia 22 de março seria a data oficial para comemorar e realizar atividades de reflexão sobre o significado da água para a vida na Terra.

Neste mesmo dia, a ONU lançou a Declaração Universal dos Direitos da Água, que apresenta entre as principais normas:

  1. A água faz parte do patrimônio do planeta;
  2. A água é a seiva do nosso planeta;
  3. Os recursos naturais de transformação da água em água potável são lentos, frágeis e muito limitados;
  4. O equilíbrio e o futuro de nosso planeta dependem da preservação da água e de seus ciclos;
  5. A água não é somente herança de nossos predecessores; ela é, sobretudo, um empréstimo aos nossos sucessores;
  6. A água não é uma doação gratuita da natureza; ela tem um valor econômico: precisa-se saber que ela é, algumas vezes, rara e dispendiosa e que pode muito bem escassear em qualquer região do mundo;
  7. A água não deve ser desperdiçada nem poluída, nem envenenada;
  8. A utilização da água implica respeito à lei;
  9. A gestão da água impõe um equilíbrio entre os imperativos de sua proteção e as necessidades de ordem econômica, sanitária e social;
  10. O planejamento da gestão da água deve levar em conta a solidariedade e o consenso em razão de sua distribuição desigual sobre a Terra.

Atividades para o Dia Mundial da Água

Alunos, pais e professores podem aproveitar o Dia da Água para promover diversas atividades que auxiliem a conscientizar a população em geral sobre a importância da preservação da água, por exemplo:

  • Fazer uma peça de teatro sobre como seria a vida sem água;
  • Fazer desenhos sobre como as pessoas deveriam preservar melhor a água;
  • Fazer um vídeo mostrando alguns cuidados básicos que toda pessoa pode ter para ajudar a preservar a água;
  • Fazer um debate sobre as consequências da falta de água potável no mundo

(Fonte: Calendarr Brasil)

 

ONU-PNUD BRASIL (Fórum Mundial das Águas) – Brasilia (DF) – 2018

Por Valmir Jesus Silva, 11 de abril de 2017

A preservação da água é de suma importância para o alcance de alguns dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

No próximo ano [2018], o Brasil receberá o 8º Fórum Mundial da Água, maior evento sobre água do mundo, o qual visa promover conscientização sobre a importância dos recursos hídricos.

Por isso, foi aberta uma plataforma online, dividida em salas, para incentivar as pessoas a expressarem suas opiniões sobre os 6 temas escolhidos para o evento.

A Rede Brasil do Pacto Global é a moderadora da sala de “Pessoas”, que debaterá, em especial, assuntos conectados aos #ODS6 (Água Potável e Saneamento) e #ODS3 (Saúde e Bem-estar). Para participar, basta acessar: http://bit.ly/2leXYfC

(Fonte: https://pt.linkedin.com/pulse/onu-pnud-brasil-forum-mundial-das-%C3%A1guas-brasiliadf-2018-silva)

 

 

poricarai

Em março Rotaract completa 50 anos

O ano de 2018 será importante para o movimento do Rotaract. É o ano em que o programa completa 50 anos de existência que serão comemorados na Semana Mundial do Rotaract, entre 12 e 18 de março. Na matéria a seguir, o autor fala um pouco sobre o assunto:

 

13 de março: Dia Mundial do Rotaract

O Dia Mundial do Rotaract ou “World Rotaract Day”, em 13 de março de cada ano, é uma comemoração internacional, que tem sido festejada por rotaractianos de todo o mundo, e que está oficializada nos Estados brasileiros de São Paulo e Mato Grosso, como “Dia do Rotaract”, Rio Grande do Sul, como “Dia Estadual do Rotaract Club” e Mato Grosso do Sul, como “Dia Estadual do Rotaractiano”.

Essa data comemorativa internacional de rotaractianos tem por fim marcar a data da fundação do Rotaract Club de University of North Carolina-Charlotte, que foi constituído em 13 de março de 1968 na localidade norte-americana de North Charlotte na Carolina do Norte, por iniciativa do RI [Rotary Internacional ou “Rotary International”], e que é reconhecido como o 1º Rotaract do mundo, muito embora os rotarianos tenham patrocinado organizações similares para jovens adultos desde o início da década de 1920, dando asas para uma instituição que hoje reúne mais de 219.000 jovens adultos, espalhados por mais de 178 países e áreas geográficas, sob o patrocínio de mais de 9.500 Rotaract Clubs em todo o mundo.
O Brasil é o segundo país no mundo em concentração de rotaractianos, com o maior número de membros em seu território, atrás somente da Índia. São cerca de 17.300 rotaractianos no Brasil, organizados em 660 núcleos por todo o país.

Para conhecimento, o Rotaract Club é um programa para jovens entre 18 e 30 anos de idade, que conta com uma das maiores atuações junto às comunidades no mundo.

O nome Rotaract, surgiu da expressão Rotary em ação ou “Rotary in Action”, e o seu lema: é Companheirismo através do serviço.

Com o objetivo de desenvolver a liderança, o trabalho em equipe e as relações internacionais, o Rotaract reúne jovens profissionais e estudantes que acreditam poder fazer a diferença, interagindo e transformando a sociedade. Seu trabalho na comunidade mundial é fundamental, diminuindo problemas sociais e elaborando projetos vencedores, como por exemplo: alfabetização, planejamento familiar, fluoretação, palestras de orientação, etc.. numa interação direta com a comunidade ou em parceria com empresas.

O propósito principal do Rotaract, é oferecer uma oportunidade para homens e mulheres jovens para melhorar o conhecimento e as habilidades que irão ajudá-los no desenvolvimento pessoal, para atender as necessidades físicas e sociais de suas comunidades e para promover melhores relações entre os povos de todo o mundo, através de um marco de amizade e serviço.

(Fonte: http://datas.blog/dia-mundial-do-rotaract-ou-world-rotaract-day-13-de-marco/)

Assista ao vídeo alusivo ao cinquentenário do Rotaract, produzido por Rotaract Brasil:

Convite Semana Mundial de Rotaract

A Conarc 2018 chegou ao fim. Mas a transformação não pode parar…Reveja o vídeo que impactou os Rotaractianos de todo o Brasil durante o encerramento da Conarc 2018! Esse é um convite para a Semana Mundial de Rotaract que acontece de 12 a 18 de março e promete fazer história unindo clubes e distritos de todo país para espalhar o nosso ideal de mudança positiva! #Lideresquetransformam#MDIOBrasil #Rotaract50anos #SMR #Rotaract50Guia da Semana Mundial de Rotaract: http://www.omirbrasil.org.br/Downloads/000372.PDFDownload dos Materiais para confecção: https://drive.google.com/folderview?id=1cKWohPSJeMdi2vvRUW_GcyvPoV3KAE-9Link Camiseta Líderes que Transformam: https://perukas.com.br/Loja/index.php?id_product=13&controller=product

Publicado por Rotaract Brasil em Sexta, 2 de fevereiro de 2018

 

 

poricarai

Em 8 de março é celebrado o Dia Internacional da Mulher

O dia 8 de março é dedicado às mulheres. As origens dessa data conhecemos. No entanto, é importante conhecermos a atuação das mulheres nos quadros dos Rotary Clubs em todo o mundo. Sabemos que a admissão delas somente foi oficializada no Conselho de Legislação em 1989, após inúmeras tentativas feitas décadas antes. Hoje, não conseguimos imaginar os Rotary Clubs sem a presença feminina. Em comemoração ao Dia Internacional da Mulher e à Mulher em Rotary, reproduzimos um artigo de César Romão, conferencista e escritor:

 

O lado feminino do Rotary

Queiram ou não alguns rotarianos mais conservadores ou conservados, o lado feminino do Rotary está presente desde a sua fundação.

Não dizemos: “o Roda Rotário”, e sim: “a Roda Rotária”; não dizemos: “o Fundação Rotária”, e sim: “a Fundação Rotária”; não dizemos: “o Festivo Rotário”, e sim: “a Festiva Rotária”…

Em todos os contextos, de qualquer organização, o lado feminino está presente, embora muitas pessoas ainda façam de conta que ele nem existe.

Todo lado feminino é inspirado na Mulher: este Ser que dispensa apresentações, mas em alguns Rotarys é muito difícil de apresentá-la.

Por mais incrível que pareça, tenho visto alguns Clubes de Rotary que não têm mulheres em seu quadro social. A princípio pensei que o problema fosse das candidatas regionais, porém, para minha surpresa, o problema está em alguns dos próprios companheiros que não aceitam as mulheres em seus Clubes.

– Que tipo de Rotary Club pode ignorar o potencial feminino e suas qualidades imensuráveis?
– Que tipo de Rotary Club pode, nos tempos de hoje, ainda tentar fazer um Clube do Bolinha?
– Que tipo de Rotary Club pode estar tão atrasado em relação às tendências humanas?
– Que tipo de Rotary Club desperdiçaria a segunda parte da Criação Universal?
– Que tipo de Rotary Club não teria amadurecido nestes últimos 100 anos da criação do Rotary International?
– Que tipo de Rotary Club ainda tem Pica-Pau Rotário?

O meu Rotary Club não é, pois no Rotary Club São Paulo Barra Funda, o lado feminino é festejado e muito incentivado. Lá estamos em busca destas mulheres que possam trazer ao nosso trabalho um incentivo diferenciado, que somente um lado feminino pode ofertar.

Será que Paul Harris teve o apoio de sua esposa para fundar e continuar frequentando o Rotary?

É claro que sim! Se o lado feminino não aprovar, o lado masculino vai apenas respeitar e seguir à risca as instruções.

Mas o lado feminino é tão grandioso que deixa os louros para o lado masculino. As esposas de rotarianos, ao suportarem a carga rotária dos maridos, demonstram o quanto o lado feminino do Rotary é importante.

Aliás, vale lembrar que se o lado feminino fizer pressão para o rotariano afastar-se do Clube, haja motivação rotária para segurá-lo.

Observe quantas mulheres em Presidência de Clubes ou Governadoras de Distrito já temos em Rotarys, e todas com muito sucesso em suas gestões, eis a luz do brilho.

Um rotariano como Paulo Viriato, com certeza, tornou-se um Anjo-Rotário e vou elevar meus pensamentos a ele num gesto de homenagem e também solicitando um pouco de sua consciência aos Rotarys Clubs que ainda não aceitam mulheres em seu quadro social. Não são muitos, mas existem e esta pequena existência pode causar uma contaminação nociva à existência maior.

O lado feminino do Rotary é onde a lógica encontra a compaixão; onde a razão cruza com a emoção; onde o jeito rude masculino submete-se à delicadeza; onde o fazer sem graça encontra a graça; onde a solitária Roda Rotária dos Marcos encontra companhia; onde a seriedade do protocolo encontra alegria; onde o silêncio encontra razões para manifestar-se; onde os motivos encontram ótimas justificativas; onde a dureza do coração encontra a bondade; onde o Servir prolifera em terreno fértil; onde o bater dos talheres nas reuniões cala-se diante da palavra feminina na mesa presidencial ou na tribuna; onde o Sino apenas indica respeito sem gongar; onde o cinza dos Clubes transmuta nas sete cores do arco-íris; onde…

Cuidado! Raros, mas existentes e resistentes Rotary Clubs que ainda não descobriram a importância do lado feminino do Rotary, o exemplo não é “uma” maneira de fazer a ética valer: é a “única”.

Tudo aquilo que reprimimos, no mundo em que vivemos, é uma manifestação sutil de algum assunto ainda mal resolvido dentro de nossas entranhas comportamentais. Quanto maior a luz, maior será a sombra. O caminho da igualdade sempre passa pelos atalhos do respeito com a diversidade.

(Fonte: www.cesarromao.com.br)

 

 

poricarai

Dois irmãos mirando na eliminação da hepatite

Por Fred Mesquita, Rotary Club de São Paulo-Jardim das Bandeiras, São Paulo, Brasil, Rotary Voices, 2/2/2018 (Tradução nossa)

A caminho do Paraguai e há um mês na expedição

Dois irmãos, um carro, uma causa social importante, muita coragem e muitas aventuras ao longo do caminho. Foi assim que a nossa Expedição “Me Leva Junto” começou em outubro de 2015, agora mais conhecida como a “Expedição Hepatitis Zero“.

Meu irmão José Eduardo e eu completamos a primeira etapa de nossa expedição, as Américas, em dezembro [2017], viajando por 20 países e visitando 274 cidades no continente americano. Todos os nossos esforços são voluntários; não há patrocínio de nenhuma empresa ou organização.

Fred Mesquita e seu irmão, José Eduardo, na Nicarágua preparando-se para uma entrevista no jornal.

Quando começamos nossa jornada, estabelecemos como objetivo realizar centenas de milhares de exames de hepatite C e visitar todos os continentes do mundo. Além de ter um impacto direto em mais de 50 mil pessoas, nunca sonhamos em almoçar com o presidente de um país, nadar com um tubarão-baleia ou ser convidados de honra em um banquete com uma pessoa sem-teto que só tinha uma cabana de barro para viver. Nossas experiências também incluíram dificuldades, como um quase sequestro no México, o congelamento da nossa barraca e ter o para-brisa do carro quebrado devido ao frio extremo na Patagônia.

Todas essas aventuras e desafios registramos em nosso livro virtual, que narra as reviravoltas de nossa expedição. No Brasil, realizamos aproximadamente 10.000 testes rápidos e diagnosticamos 100 portadores de hepatite, que tiveram as vidas salvas ao serem encaminhados ao tratamento. Nossa meta é levar conhecimento e orientação para milhares de pessoas no mundo sem diagnóstico para Hepatite. Visitamos Rotary Clubs em toda a América, além de nos reunirmos com autoridades em Saúde e com especialistas em universidades e em outros locais.

Os países visitados incluem o Brasil, Paraguai, Uruguai, Argentina, Chile, Bolívia, Peru, Equador, Colômbia, Panamá, Costa Rica, Nicarágua, Honduras, Guatemala, Belize, México, Estados Unidos, Cuba, Canadá, Islândia.

Você pode apoiar nosso esforço visitando nossa campanha de crowdfunding. Todos os rendimentos obtidos com nosso livro virtual irão ajudar nossa expedição.

 

 

poricarai

Fevereiro: Mês da Paz e da Prevenção e Resolução de Conflitos

Colaborar para o avanço da Paz e da Prevenção e Resolução de Conflitos é um dos mais importantes aspectos dos serviços do Rotary International. Como membros de uma organização mundial, os rotários encontram-se numa posição privilegiada de poder disseminar a boa-vontade no seu país e fora dele.

Como já dizia Paul Harris, fundador do Rotary International: “Para promover a compreensão mundial, precisamos consciencializar um grande número de pessoas – rotários e não-rotários– e esta tarefa não pode ser realizada individualmente”. E, para comemorar o mês da Paz e da Prevenção e Resolução de Conflitos nada melhor do que criar consciência sobre a história do Rotary, divulgando os seus trabalhos. 

Compartilhando os sucessos do seu clube, estará contribuindo para que a imagem do Rotary seja respeitada e reconhecida pela comunidade. Além disso, para assegurar a existência de futuras gerações de rotários, o trabalho de promoção do Rotary deve ser realizado também entre os jovens.

No dia 23 de Fevereiro, aniversário do Rotary, comemora-se também o dia da Paz e da Prevenção e Resolução de Conflitos. Todos os Clubes são incentivados a planear eventos para marcar o aniversário de 113 anos do Rotary. Nessa ocasião, todos os clubes devem prestar reconhecimento e dar destaque ao trabalho do Rotary em prol da compreensão, da amizade e da paz mundial.

(Fonte: Rotary Club de Torres Vedras, Portugal)

 

Quadro em destaque acima: “Guerra e Paz” de Cândido Portinari. 
São dois painéis de, aproximadamente, 14 x 10 m cada um produzidos pelo pintor brasileiro Cândido Portinari, entre 1952 e 1956. Os painéis foram encomendados pelo governo brasileiro para presentear a sede da Organização das Nações Unidas (ONU) em Nova York, mas antes de partirem, em 1956, foram expostos numa cerimônia no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, que contou com a presença do então Presidente Juscelino Kubitschek. (Wikipedia)

 

 

poricarai

O que são as Conferências Presidenciais da Paz

Em 2018 o presidente do RI, Ian Riseley, será o anfitrião de seis Conferências Presidenciais da Paz que visam conectar o assunto com as outras cinco , e também com o meio ambiente. Esses eventos objetivam:

  • elevar o status do Rotary como líder global em cada uma das áreas de enfoque;
  • mostrar o impacto causado pela Fundação Rotária;
  • instruir e inspirar os participantes a prestar serviços;
  • dar oportunidades a rotarianos e não rotarianos de trabalharem juntos.

As conferências

As conferências são abertas a todos, independentemente da pessoa ser associada de um Rotary Club ou não. Saiba mais sobre cada evento e inscreva-se on-line pelos links a seguir:

10 de fevereiro – , Vancouver, Canadá

17 de fevereiro – , Beirute, Líbano

24 de fevereiro – , Coventry, Inglaterra

17 de março – , Sidney, Austrália

28 de abril – , Taranto, Itália

2 de junho – , Chicago, EUA

Assista ao vídeo do presidente aqui. (inglês)

(Fonte: Rotary International)