Projeto Sentinelas do Mar

Na foto acima, estudantes e professores da escola Scotts Valley High School, a primeira a implementar o programa.

 

O objetivo principal desse projeto é educar estudantes sobre os impactos negativos da poluição de plásticos no mar e fazê-los reconhecer o que cada um pode fazer para reduzir essa poluição, começando com ações dentro da própria escola. Eles estudarão a bacia hidrográfica local e de que maneira os riachos, rios, esgotos/sarjetas ou dispositivos de drenagem urbana levam esses detritos para o mar.

O objetivo final do projeto é “plantar a sementinha” para a redução de detritos marinhos na Baia da Guanabara, Rio de Janeiro, Brasil, e na Monterey Bay Sanctuary, Ca., EUA, através de um programa de educação de abordagem prática (hands-on) em escolas parceiras no Brasil e nos USA (escolas irmãs). A Scotts Valley High School foi a primeira escola a participar.

Serão beneficiadas, na primeira fase, escolas no entorno da baía de Guanabara, em parceira com Rotary Clubs dos Distritos 4570 e 4750. O clube parceiro titular será o Rotary Club de Scotts Valley, Ca., Distrito 5071.

O primeiro projeto no Brasil, o piloto, será executado no Centro Educacional de Niterói – CEN, por meio do Clube de Geografia e História, o GeohCEN. Até o final do ano será implementada a primeira etapa do projeto.

Em seguida, serão contempladas a Associação de Educação de Niterói, AEN, em São Francisco, e o Colégio de Aplicação Dom Hélder Câmara, em Piratininga. O Rotary de São Gonçalo também apadrinhará uma escola participante do programa Sentinelas do Mar.

 

Etapas da implementação

Atividades dos estudantes:

  1. Os estudantes fazem duas excursões/trabalhos de campo indo à praia ou à beira de um rio, onde coletam detritos marinhos, tais como pedaços de plástico, cigarros e demais objetos que encontrarem.
  2. Retornam para a classe e catalogam os detritos, seguindo protocolos científicos. Analisam os resultados e desenvolvem um plano de divulgação (“out-reach”) para transmitir aos outros alunos da escola e a pessoas da comunidade o que aprenderam. Os estudantes também se comunicam com a escola parceira (“sister school”) na Califórnia, trocando fotos e comparando informações sobre a excursão.
  3. Com base na avaliação feita, os estudantes utilizam recursos de uma bolsa para fazer melhorias no campus da escola (“hands-on projects”), melhorias estas que vão ajudar a reduzir a poluição do mar. (Exemplos: instalação de bebedouros e distribuição de garrafas de metal para reduzir o número de garrafas de plástico; mudança das regras na lanchonete da escola, para não utilizarem embalagens plásticas; elaboração de projeto de saneamento básico para que a água contaminada não chegue ao mar; criação de uma hortinha orgânica etc., de acordo com as necessidades da escola).

 

Pessoa Responsável e como iniciar o processo

A pessoa responsável é o professor coordenador (“lead teacher”). A professora ou professor responsáveis pela implementação do projeto preenchem um formulário e um termo de compromisso, para estabelecer a parceria com a coordenadora do programa do Rotary de Scotts Valley ou com um representante de outro Clube. Quando a escola fica fora dos EUA, um Rotary local deve aceitar o pedido antes do projeto ser aprovado.

A parceria tem a duração de um ano que poderá ser renovada, se todos os requisitos tiverem sido preenchidos na aplicação do programa.

Os primeiros registros das reuniões com as escolas podem ser encontradas na página do Facebook  e no site do Rotary de Scotts Valley.

 

Veja flagrantes das visitas às escolas de Niterói e ao Rotary de São Gonçalo: