4. Primeiras lições rotárias

Aprender é uma das melhores coisas da vida e ensinar uma tarefa gratificante, principalmente quando os alunos fazem parte de um grupo motivado e cheio de entusiasmo.

Desde a primeira reunião como clube provisório, dia 17 de novembro de 1993, os novos rotarianos recebiam ensinamentos sobre Rotary. Estavam ansiosos, pois queriam saber em mais detalhes para o que haviam sido convidados. Já tinham ouvido falar em Rotary e associado a ele uma imagem. Uma imagem que muitos têm do Rotary, uma imagem – equivocada – que aos poucos foi se desfazendo e formando o verdadeiro retrato da grande instituição.

Seus primeiros professores foram Alcir, Abicalil, Joel e Waldemar Romano, que estavam acompanhando de perto o processo de criação do novo clube.

Viram que o Rotary é uma organização de âmbito internacional, presente em cerca de 150 países*, totalizando mais de 1.175.000 rotarianos* (*dados de novembro de 1993, N.A.), que prestam serviços humanitários aos mais carentes no intuito de promover a Paz entre os povos e a Compreensão Mundial. Conheceram o Objetivo do Rotary, que é estimular e fomentar o Ideal de Servir.

Alcir lhes falou sobre o Estudo de Expansão, sobre compartilhamento de território, sobre o processo de organização do novo clube. Explicou-lhes o que é o clube padrinho e qual a função do representante especial do governador.

Hélio Abicalil relatou sobre a Fundação Rotária, a maior organização não-governamental do mundo e sobre os seus programas e suas campanhas internacionais, como a Pólio Plus – a maior, cujo objetivo é a erradicação total da poliomielite no mundo até o ano 2005 (ano do centenário do Rotary), flagelo ainda presente em muitos países. Explicou, ainda, que os Rotary Clubs se agrupam em distritos (o nosso é o Distrito 4750), e que cada clube contribui semestralmente para o Rotary Internacional para fazer face às despesas administrativas.

Waldemar Romano falou sobre as quatro grandes comissões, conhecidas por avenidas de serviços, pelas quais o clube interage com a comunidade em que está inserido.

Joel, por sua vez, deu esclarecimentos sobre o Conselho Diretor e sobre os membros que o compõem e suas importantes funções…

A cada semana que passava mais e mais amigos chegavam às reuniões. À primeira (17/11/93) vieram Ana Cristina, Ricardo Fagundes e Roberto Carlos. Em dezembro juntaram-se ao grupo Alcir e Paulo Roberto, ambos filhos de Alcir Chácar; Brigitta, Ari Kinsel, Alcoforado e Lucinda; Rodolfo Darigo, Francisco, Manhães, Yves e Maria Yvonne.

Nesse ínterim, Waldenir de Bragança havia encerrado o Curso da Escola Superior de Guerra – exatamente no dia 10 de dezembro, tendo cumprido mais essa missão com todos os méritos e louvores. E na quarta-feira seguinte, no dia 15, marcou presença no café-da-manhã. Depois da auto-apresentação de todos (uma prática que estava se tornando habitual), proferiu brilhante palestra exaltando a atuação do Rotary no mundo.

À medida que os encontros semanais iam acontecendo, os novos companheiros se surpreendiam com as coisas que lhes eram ensinadas sobre o Rotary. Nunca poderiam imaginar que por trás de um nome tão simples – Rotary – havia um mundo totalmente novo, um mundo pronto para ser conhecido, estudado e conquistado…

As reuniões do Icaraí pouco a pouco estavam se estruturando e tomando corpo. O sino tornou-se peça imprescindível nessas reuniões e os novos companheiros já sabiam que o início obrigatoriamente era marcado pela saudação ao Pavilhão Nacional. Havia sempre um companheiro que fazia o protocolo e anunciava a composição da mesa presidencial. A seguir eram dadas informações rotárias, as conhecidas “pílulas”, pelos companheiros mais experientes. Algumas vezes, a palavra era franqueada àqueles que quisessem fazer algum comunicado. O significado do companheirismo tornava-se cada vez mais claro. Encerrava-se a reunião do dia com mais uma badalada do sino e a saudação à Bandeira.

O sino, nesses primeiros tempos, ainda era o do Araribóia, levado e trazido pelos companheiros. E não é que ele foi esquecido uma vez? Naquele dia foi preciso improvisar…

A primeira bandeira – de mesa – foi trazida pelo companheiro Roberto Carlos. De tão desbotado, o tecido estava se desmanchando. Yves a levou para o conserto, trazendo-a em seguida. Mais tarde, Maria Yvonne trouxe uma outra em doação, também de mesa, porém um pouco maior. Essa esteve presente por um bom tempo em nossas reuniões plenárias, cedendo o seu lugar depois definitivamente para a panóplia…

Na reunião do dia 22 de dezembro, dedicada à comemoração natalina, ocorreu um fato importantíssimo, um presente para os companheiros do Icaraí: foi anunciada a visita do Governador Conti e de sua esposa, Matilde, ao novo clube para breve, precisamente no dia 12 de janeiro. Seria a primeira visita, embora extra-oficial, de um governador. Foi um rebuliço. Na reunião seguinte a visita foi confirmada…

Nesses primeiros encontros semanais, os companheiros do Icaraí foram convidados a participar da campanha dos lacres de latas de refrigerantes e do concurso dos selos usados. Cada conjunto de 1000 lacres daria direito a uma hemodiálise a pessoas carentes e os selos usados seriam remetidos para uma instituição chamada Bethel, na Alemanha. Ficou estabelecida a meta de 1000 selos até a admissão do Icaraí ao Rotary Internacional. E os companheiros participaram efetivamente dessas campanhas.

Com referência à campanha dos lacres, temos uma “historinha”. Infelizmente ela teve de ser suspensa em março de 1994, após uma nota maldosa publicada num jornal de grande circulação. Quem escreveu a matéria certamente não entendeu o significado e a importância daquele projeto…

E o próprio Icaraí lançou a sua primeira campanha. Ricardo Fagundes, ante a situação alarmante de violência no bairro, propôs a instalação de uma cabine policial na Praia de Icaraí para garantir mais segurança aos moradores do bairro. O clube já queria mostrar desde cedo que estaria disposto a lutar pelos interesses de sua comunidade.

Reportemo-nos, novamente, ao Manual de Expansão: “assim que 25 ou mais pessoas que tiverem as qualificações necessárias concordarem em se tornar sócios fundadores deve ser realizada a reunião na qual o clube elege seus dirigentes.”

Durante as reuniões estava sendo articulada a composição do primeiro Conselho Diretor do clube. No dia 5 de janeiro de 1994, foram indicados os nomes e eleitos por aclamação: Roberto Carlos Monteiro, para presidente; Antônio Carlos Alcoforado, 1º Vice; Ismênia Fraga de Mattos, 1ª secretária; Rodolfo Luiz Darigo, 1º tesoureiro; Ana Cristina Abicalil, 2ª tesoureira; e Ricardo Fagundes, diretor de protocolo. No entanto, essa composição viria a ser modificada logo em seguida, em Assembleia Geral, devido ao afastamento de alguns companheiros.

 

« 3. Um clube em formação  |  4. Primeiras lições rotárias  |  5. A visita do governador »