1. O começo de tudo

Tudo começou em 1993.

Era um ano profundamente trabalhoso para uma determinada pessoa. Waldenir de Bragança, que todos nós conhecemos tão bem, estava cursando, desde março daquele ano, o Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia da Escola Superior de Guerra. O local da Escola: Fortaleza de São João, na Urca, Rio de Janeiro. Era estagiário – assim são chamados aqueles que frequentam esse curso – numa turma de mais de 100 integrantes, todos indicados pelos seus órgãos de origem.

Estuda-se muito nesses cursos – o dia inteiro – a Doutrina da Escola (o Método de Planejamento Estratégico) e a Conjuntura Nacional. Compõem a sua estrutura palestras, debates, painéis, numerosas visitas e cinco viagens de estudos – uma para cada região do País.

Waldenir de Bragança, estagiário exemplar, participava de todas essas atividades.

Pois bem. Chegou o dia da viagem à Região Centro-Oeste do País que se realizou em meados de junho. Embarque no domingo de manhãzinha e regresso previsto para o sábado seguinte. Uma visita a Brasília estava incluída no roteiro da viagem, e Waldenir naturalmente fez parte da comitiva que embarcava, de avião, para aquela região por uma semana.

É… essas viagens duram uma semana e parece que é pouco para a extensa programação.

Waldenir, extremamente consciente das suas obrigações como rotariano, procurou, naquela semana, um clube rotário para recuperar a sua falta, já que não estaria no seu clube, o Rotary Club de Niterói Norte. Perguntou na recepção do Hotel Nacional onde estava hospedado e lhe informaram que ali mesmo se reunia o Rotary Club Brasília Alvorada, no café-da-manhã.

Decidiu-se por visitar esse clube, mesmo sabendo que não poderia ficar até o final, devido ao rigoroso horário da programação da ESG. Nesse dia, 16 de junho, iriam fazer uma importante visita: o grupo de estagiários seria recebido pelo Presidente da República, no Palácio do Planalto.

Podemos imaginar, que Waldenir foi muito bem recebido pelos rotarianos daquele clube. Preencheu o seu cartão de recuperação, participou de parte da reunião e ficou entusiasmado com o fato de o clube se reunir no café-da-manhã. Já estava vendo o alvorecer na Praia de Icaraí, pessoas fazendo a sua caminhada à beira do mar, e dito pelo próprio Waldenir: “o alvorecer espiritual dos companheiros de um Rotary Club naquele lugar”.

Acima vemos o cartão de recuperação de Waldenir de Bragança, quando da sua visita ao RC Brasília Alvorada.

Depois de cumprida toda a programação e tendo participado de todas as palestras e debates previstos para aquela viagem, Waldenir voltou para Niterói mais satisfeito do que nunca. Trouxera de Brasília uma ideia que gostaria de transmitir imediatamente para o governador! Nem esperou para descansar da viagem extenuante – parece que nunca se cansa… – e procurou o Governador do Distrito eleito para o período 1993-1994, José França Conti.

 

« Introdução  |  1. O começo de tudo  |  2. O sonho »