Lema Presidencial de 2018

Barry Rassin, presidente do RI de 2018-19, quer que todo rotariano “Seja a Inspiração”

Por Hank Sartin, Fotos de Monika Lozinska

No domingo, o presidente eleito do Rotary International, Barry Rassin, falou da sua visão para a nossa organização, pedindo aos líderes presentes que contribuam ao futuro sustentável da entidade inspirando rotarianos e pessoas de fora do Rotary.

Rassin, que é associado do Rotary Club de Nassau Leste, nas Bahamas, revelou seu lema presidencial de 2018-19 — Seja a Inspiração — aos próximos governadores de distritos rotários na Assembleia Internacional do Rotary em San Diego, EUA. “Eu quero que vocês inspirem os rotarianos dos seus clubes a almejar o sucesso, a querer ser mais e ir mais longe. Sejam a motivação que instiga os outros a superar seus limites.”

Rassin enfatizou a força do Rotary contida na declaração de visão da entidade: “Juntos, vemos um mundo onde as pessoas se unem e entram em ação para causar mudanças duradouras em si mesmas, nas suas comunidades e no mundo todo”. Segundo ele, essa declaração descreve o Rotary que seus líderes precisam construir.

Para tornar essa visão em realidade, o presidente eleito falou que os rotarianos precisam cuidar do Rotary: “Nós somos, acima de tudo, uma organização de associados. Se queremos servir, se queremos atingir nossas metas, precisamos, primeiramente, cuidar muito bem dos nossos associados”.

Rassin pediu aos novos governadores que inspirassem “os rotarianos de seus distritos a desejarem promover mudanças, a desejarem fazer mais, a desejarem desenvolver seu potencial ao máximo. “Vocês têm a responsabilidade de incentivá-los, de ajudá-los a progredir”, enfatizou ele.

Progresso na luta contra a pólio

Segundo Rassin, o trabalho do Rotary para a erradicação da pólio é uma fonte imensa de inspiração. Ele descreveu o progresso incrível alcançado nas últimas três décadas. Em 1988, cerca de 350.000 pessoas sofreram paralisia como resultado de infecção pelo vírus da pólio selvagem; em 2017, apenas 21 casos foram documentados até 10 de janeiro. “Nós estamos vivendo um momento incrivelmente empolgante na erradicação da pólio”, comentou ele, “um ponto no qual cada novo caso de pólio pode vir a ser o último”.

Rassin enfatizou que mesmo após o último caso de pólio tiver sido documentado, o trabalho continuará existindo. “A paralisia infantil não estará erradicada até que o comitê responsável confirme isso. Para tanto, nenhum vírus da pólio deve ser encontrado em rios, em esgotos ou em uma criança por pelo menos de três anos”, explicou ele. “Até lá, temos que continuar trabalhando exatamente como agora.” Rassin é defensor das atividades de vigilância em relação ao vírus da pólio e da imunização contra doenças.

Sustentabilidade ambiental

Nos últimos anos, o Rotary tem enfocado fortemente no tema da sustentabilidade em seus serviços humanitários. Rassin é da opinião de que todos devem se conscientizar sobre os problemas reais derivados da poluição, degradação ambiental e mudanças climáticas. Ele observou que 80% de seu próprio país está a um metro do nível do mar. “Considerando os estudos de que o nível do mar subirá dois metros até 2100, em 50 anos meu país desaparecerá, junto com a maioria das ilhas do Caribe e cidades costeiras”, disse ele.

Rassin pediu aos líderes presentes no salão de plenárias que encarassem todo o trabalho desenvolvido pelo Rotary como parte de um sistema global maior. Segundo ele, isso significa que os novos governadores precisam ser uma inspiração não só para seus clubes, mas também para todos na região em que atuam. “Queremos que o bem que fazemos seja duradouro. Queremos tornar o mundo um lugar melhor não apenas onde vivemos, não apenas para nós, mas em todos os lugares, para todos e para as gerações futuras”.

(Fonte: Rotary International)